quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Tornar o tema dos resíduos urbanos um tema atrativo para os cidadãos – UrbanWINS

The meeting in Bucharest of the UrbanWINS project demonstrated how difficult is to make awareness about the challenges of the waste production. Citizens and stakeholders, in more mature democracies, didn’t participate as often was it was desirable to the Urbanwins project. There is a real challenge to make the connection with the technical issues of the model that simulates the sustainable urban metabolism used in the project and the civic engagement of common citizens. Pilot cities and all partners will have to solve this challenge, especially in more mature democracies because de waste problem may be assumed by the comunity as a non-preoccupation in those cities. Because citizens don’t suffer the problems of waste production they may be little concern about the issue, and in Portugal because de waste tax is payed indirectly in the water bill the citizens may not be warned about de production of waste in their cities.


O projeto UrbanWIns, tal como aqui já se referiu, pretende criar um modelo matemático que simule os metabolismos urbanos de modo a poder ser uma ferramenta de apoio à decisão, onde se prevê o desenvolvimento de uma metodologia participativa dos stakeholders, ou seja, da comunidade local de cada cidade e dos técnicos, entidades, organizações e todos os interessados e agentes relacionados com a questão dos resíduos, incluindo os próprios cidadãos.

O projeto está a decorrer atualmente em várias cidades piloto, sendo Leiria a representante nacional. Entre 12 e 14 de setembro decorreu uma reunião de trabalho em Bucareste, na Roménia, desenvolvida num espírito colaborativo, entre os vários parceiros do projeto. Para além dos desafios que o modelo matemático enfrenta na tentativa de simular os vários metabolismos urbanos, ficaram evidentes também as problemáticas da participação cívica da comunidade neste tipo de projetos.


Se em alguns assuntos os temas públicos geram naturalmente interesse cívico, os resíduos urbanos não parecem ser um desses casos. Podem ser várias as explicações. Talvez por a recolha funcionar relativamente bem e por terem desaparecido as lixeiras em Portugal já há muito tempo. Apesar de tudo, parece que o problema não existe e que tudo funciona na perfeição. No entanto o problema é real e estamos longe de ter encontrado uma solução para resolver todos os resíduos que produzimos. Exige-se encontrar novas soluções, pois o nosso modo de vida assume vertentes de considerável insustentabilidade. Se analisamos a pegada ecológica média portuguesa a urgência do tema não pode ser ignorada, pois consumimos atualmente 2,3 terras – ou seja se todas as pessoas do planeta tivessem o nosso nível de consumo precisamos de 2,3 planetas terra para que os recursos que consumimos em Portugal se pudessem renovar naturalmente. De facto estamos a lidar com os resíduos, mas estaremos a fazer tudo o que podemos para minimizar todos os impactes diretos e indiretos a eles associados? Será que por pagarmos a taxa de resíduos indexada à fatura da água isso contribui para não considerar o sistema de tratamento de resíduos como um custo para o cidadão e consumidor? Então e as medidas de prevenção? Falamos muito em resolver o problema dos resíduos e menos na prevenção da sua produção. Como em muitos outros exemplos: prevenir é o melhor remédio.


Outra curiosidade que se verificou do intercâmbio entre as várias cidades piloto foi a experiência de participação nos processos cívicos participativos. Concluiu-se que nos países com democracias já estabilizadas a participação dos cidadãos e dos stakeholders foi mais fraca que em países como a Roménia, com democracias mais recentes. Uma representante romena frisou que a primeira sessão de participação pública foi muito difícil de gerir por excesso de participantes, pois todos queriam poder participar e dar opinião uma vez que nunca ninguém tinha sido envolvido em processos desta natureza em Bucareste. Ficou também notória a necessidade de ajustar o processo à escala das várias cidades, uma vez que Bucareste é a única capital entre as cidades piloto.

Em breve serão realizadas mais ágoras presenciais que pretendem aprofundar o processo deliberativo e participativo do UrbanWINS. O projeto também poderá ser acompanhado nas Ágoras virtuais em: https://www.urbanwins.eu/online-agora/

Referências:
“Portugal Aumentou a sua pegada ecológica”,  Público. Disponível em: https://www.publico.pt/2017/06/04/ecosfera/noticia/portugal-aumentou-a-sua-pegada-ecologica-1774537

#UrbanWINS

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

500.000 visualizações no blogue "A Busca pela Sabedoria"

Parece incrível mas é mesmo verdade. Aqui este blogue, onde tenho vindo a depositar textos de curiosidades sobre cultural geral desde 2009 ultrapassou o expressivo patamar de 500.000 visualizações.


Muito obrigado a todos estes leitores e leitoras. Ainda que nem sempre a um ritmo tão regular como seria desejável as publicações são para continuar.
 
Fica então uma breve lista de quais os texto mas vistos ao longo destes 8 anos e mais de 500.000 visualizações em ordem decrescente:

10 - Filme: "Planeta dos Macacos: a origem"
09 - País ou Estado mais pequeno do mundo?
08 - Ciprestes - Árvores Corta-fogo
07 - O Significado da palavra Matemática
06 - Significado e origem da palavra F.U.C.K.
05 - Porque se chama Invicta à cidade do Porto?
04 - Orgasmo masculino sem ejaculação - uma lição de Quintino Aires
03 - Filme “Sem tempo” – onde literalmente o tempo é dinheiro
02 - O que é um Loby, ou em Português Lóbi?
01 - Nike - uma Deusa Grega que deu origem a uma famosa marca

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Transformar os jogos lúdicos em ferramentas educativas e de treino

Se consultarmos um dicionário, por exemplo a Infopédia da Porto Editora, obtemos algumas definições e referências a palavra Jogo, tais como:
atividade lúdica executada por prazer ou recreio, divertimento, distração; atividade lúdica ou competitiva em que há regras estabelecidas e em que os praticantes se opõem, pretendendo cada um ganhar ou conseguir melhor resultado que o outro; partida série de regras a cumprir numa atividade lúdica ou competitiva; conjunto de peças que permitem a realização de uma atividade lúdica […].”
Desta definição e múltiplos significados ressalta o conceito de “Lúdico”, mas também de “competitivo”. Lúdico refere-se a algo divertido que fazemos para nos alegrar e recrear, algo agradável para o ocupar o tempo. Já a parte competitiva relaciona-se com um atividade em que se tenta ganhar, individualmente ou coletivamente perante adversários que jogam o mesmo jogo, ou simplesmente melhorar determinada performance.
 
Crianças brincando - Pieter Bruegel, o velho

Em todas estas definições, neste mas também noutros dicionários, não se fazem referências direta a atributos dos jogos na vertente pedagógica e educativa, ou sequer formativos, ainda que a dimensão competitiva a que se lhe atribui considera a “melhoria de performance” em determinadas atividades. Mas todos sabemos que existem e que são utilizados jogos de vários tipos para apoio a atividades educativas. Esses jogos nem sempre são os jogos que conhecemos pela sua relevância lúdica, alguns são, enquanto jogos pouco interessantes, destacando-se apenas pelos conteúdos direcionados a que recorrem. Mas será que os jogos originalmente pensados para divertir podem ser usados também com o intuito pedagógico, conjugando o útil com o agradável?

Existe com certeza essa possibilidade. Existe um neologismo para descrever a atividade de “uso de técnicas características de jogos em situações do mundo real, aplicadas em variados campos de atividade, tais como a educação, saúde, política e desporto, com o objetivo de resolver problemas práticos ou consciencializar ou motivar um público específico para um determinado assunto”, termo conhecido em português como “ludificação” mas adotando-se habitualmente uma palavra hibrida que deriva diretamente do inglês: “gamificação” que provém do “gamification”.

Na verdade estes conceitos ainda são algo recentes e não apresentados ao grande público de forma estruturada. Existem experiências deste género e que têm vindo a ser utilizadas em formações, especialmente motivacionais e de fomento de espírito de equipa e de grupo, o “teambuilding”. Há quem leve este conceito muito mais a fundo, transformando e adaptando atividades profissionais e laborais aos conceitos habituais de design de jogos, criando recompensas, obtenção de distintivos e criar níveis a atingir que incentivam o desempenho na atividade profissional.

Mas o objetivo deste texto era centrar-se mais naquilo que o uso de jogos concebidos para fins lúdicos pode ter no desenvolvimento de competências, especialmente no nicho dos jogos de tabuleiro modernos, considerados como aqueles que são produzidos atualmente depois da revolução de design que se deu a partir dos anos 90 do século XX.

É muito comum lermos e ouvirmos referências de como os jogos de tabuleiro são excelentes ferramentas pedagógicas. Certo é que alguns educadores, professores e formadores os usam em contextos múltiplos, formais e informais. Sabemos que alguns jogos, através da experiência lúdica que proporcionam podem desenvolver nos jogadores competências tais como: concentração, observação, negociação, raciocínio lógico/matemático, dedução, gestão estratégica, velocidade de análise, reflexos e por ai fora. Mas faltam algumas ferramentas de sistematização e avaliação de jogos disponíveis no mercado, acessíveis ao comum dos utilizadores, que permitam rapidamente escolher um jogo e de imediato o começar a utilizar direcionando-o para o trabalho de determinadas competências. Tendo reconhecido essa competência decidi criar, no âmbito de outro blogue, um primeiro draft de tabela de avaliação de jogos de tabuleiro para desenvolvimento de competências pedagógicas em ambiente escolar para crianças a partir dos 5 anos.

Surgiu então esta tabela que aqui se partilha também para conhecimento público e para o caso de mais alguém quiser debater este tema. Tal como os jogos de tabuleiro podem ser utilizados para desenvolver competências que se relacionam com questões pedagógicas também podem ser utilizados noutros contextos e para outros públicos em que importa melhorar e trabalhar outras questões. Aceder à tabela aqui.

Referências bibliográficas:
“Education games”, Wikipedia, disponíl em:
https://en.wikipedia.org/wiki/Educational_game
“Gamification”, Wikipedia, disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/Gamification
“Jogo”, Infopédia, disponível em: https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/jogo
What is GBL (Game-based Learning)?”, Edtechreview, disponível em: http://edtechreview.in/dictionary/298-what-is-game-based-learning

Artigos relacionados

Related Posts with Thumbnails


A Busca pela sabedoria - criado em Agosto de 2009 por Micael Sousa