sábado, 28 de julho de 2012

Filme: Shutter Island


Martin Scorsese, em mais um filme onde dá o protagonismo a Di Caprio, surpreende-nos com a tensão, quase terror, predominantemente – que é para não dizer completamente – psicológica de Shutter Island. Este tipo de filme não é muito comum, e menos ainda para o diretor em causam, especialmente tendo em conta a obra anterior. Assistir a Shutter Island é entrar num enredo de reviravoltas surpreendentes. Mas desengane-se quem pense que se trata de um filme de ação dos mais típicos e de puro entretenimento visual. A ação desta obra de Scorsese é intensa e cativante pela curiosidade que desperta, pelo desconhecido e pelas emoções e sensações que provoca, independentemente de cenas altamente produzidas visualmente. Parece-me difícil de catalogar o filme, podendo dizer-se que é um filme de ação, drama, terror, policial, desde que a cada uma destas possíveis classificações adicionarmos a palavra “psicológico”.
A trama, ao jeito policial, vai-se adensando com o decorrer do filme, o “suspense” é a regra. O final é surpreendente, apesar de várias pistas espalhadas ao longo do filme que o pudessem prever. Essas informações, inicialmente incompreensíveis, podem deixar-nos a pensar no final - a mim pelo menos deixou. Para além de uma história bem original, o modo como nos é apresentada permite diversidade nas interpretações. Muitos poderão não gostar de algumas “pontas soltas” mas, a meu ver, isso acrescenta e torna o filme mais rico, dado um papel mais ativo e interpretativo a quem vê o filme, isto apesar de estar longe de ser um filme é que a sua compreensão dependa totalmente da imaginação do espetador. 
Algumas reflexões então sobre a história propriamente dita: Afinal o que é real?, até que ponto podemos confiar no que consideramos ser real, ou que é construído?
Di Caprio excede-se na excelente interpretação, mesmo em cenas mais intensamente duras (psicologicamente). Todos os atores revelam suas qualidades, respondendo com as emoções e reações que se esperam para os eventos aos quais são sujeitos na trama. A fotografia está muito bem conseguida. A Ilha é verdadeiramente sinistra, ora calma e aprazível.
Recomendo o filme, mas recomenda também que se preparem para cenas mais pesadas, com alguma violência física e psicológica.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

O Maior depósito de plástico do Mundo fica no Mar?


Como sabemos, os oceanos e mares não são massas de água estáticas. Para além do que é mais visível, principalmente devido às marés (influenciadas pela gravitação lunar) e das ondas (influenciadas principalmente influenciadas pelo vento), as grandes massas de água agitam-se e movimentam-se devido às correntes marítimas (fenómeno proveniente, principalmente, das diferenças de temperaturas entre as várias zonas dessas mesmas massas de água, ou daquelas que com elas confinam). Assim, as águas marítimas e oceânicas estão em constante movimento, com correntes bem definidas que deslocam quantidades imensas de água, com forças capazes de arrastar quase tudo. Nesse tudo inclui-se muito do lixo que se deposita deliberadamente ou que indiretamente acaba por ir parar a essas grandes massas de água. No caso dos plásticos, por serem de difícil desintegração, e serem muitas vezes leves o suficiente para serem arrastados e ficarem até em suspensão, o problema do lixo oceano adquire uma nova dimensão. 
Civilização Congelada - Arman
Na maior parte dos oceanos existem zonas onde a confluência de várias correntes tende a criar zonas neutras, ou seja, zonas onde as correntes se anulam e equilibram, onde os detritos se acumulam em suspensão contínua [2]. Criam-se assim vórtices e respetivas zonas propensas de acumulação, que podem ocupar zonas imensas, maiores que estados e países – por exemplo, o vórtice de lixo do Pacífico Norte é maior que o estado do Texas (695.661,56 km2) -, onde determinados tipos de lixo se vão acumulando, especialmente os leves e quase indestrutíveis plásticos.
Apesar dos plásticos poderem ser inertes, a fauna e flora marítima desses locais de acumulação oceânica está a ser influenciada pela presença dos objetos estranhos. Muitos dos peixes, e outros animais (aves, tartarugas e mamíferos aquáticos) ingerem os plásticos, confundindo-os com alimento [1]. Ao perigo inerente ao próprio plástico, juntam-se os efeitos de outros poluentes muito mais perigosos que, pelo efeito de “esponja”, lhes aderem. Para além de ser perigoso para a vida marinha, a influências destes poluentes pode afetar indiretamente a saúde humana, uma vez que podemos estar a ingerir, por exemplo, peixes que, por sua vez, ingeriram esses produtos potencialmente perigosos. Dados da Greenpeace sugerem que por cada quilo de plâncton existem na zona do vórtice do Pacífico Norte existem 6 quilos de plástico [1]. Mas essa grande quantidade de plástico nem sempre corresponde a pedaços de grandes dimensões (a maior parte tem cerca de 1 cm ou muito menos). Têm sido reveladas fotografias falsas, especialmente na Internet, como sendo do vórtice de Lixo do Pacífico, no entanto algumas delas são de outros locais (habitualmente lagos e rios altamente poluído, próximos de locais de forte ocupação humana) [3].
No entanto alguns estudos desvalorizam, parcialmente, ou simplesmente concluem que pouco se poderá dizer quanto aos efeitos reais da ingestão de plástico pela fauna. Apesar disso não se negam os efeitos dos plásticos nesses ecossistemas. É consensual que os  elementos estranhos, como os plásticos, levam ao desequilíbrio ambiental, uma vez que os pedaços de plástico estão a o fazer crescer outros organismos à sua volta, ou até transportar novas espécies estranhas para a zona [3][4]. 
Independentemente dos impactes ambientais, um dia, no futuro, quando escassear matéria-prima para produzir plásticos, ou simplesmente no vórtice do lixo a concentração de polímeros for tão grande que se torne viável a sua reutilização – porque a tendência é continuar a crescer -, talvez aquela seja de facto uma das maiores fontes para a obtenção de novos produtos de plástico. 

Referências Bibliográficas
[3] "Lies You’ve Been Told About the Pacific Garbage Patchhttp://io9.com/5911969/lies-youve-been-told-about-the-pacific-garbage-patch
[4] "Increased oceanic microplastic debris enhances oviposition in an endemic pelagic insect" http://rsbl.royalsocietypublishing.org/content/early/2012/04/26/rsbl.2012.0298.full#F1

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Produtividade – Provavelmente o Maior Défice da Economia Portuguesa

O grande problema da economia portuguesa é a falta de produtividade. Recorrendo ao glossário da obra onde baseou parte substancial deste texto, Produtividade (ou PIB por trabalhador-hora): corresponde à quantidade de bens e serviços produzida num país dividida pelo conjunto de empregados e pelas horas por si trabalhadas. 
Na obra “Economia Portuguesa, as últimas décadas” Luciano Amaral faz um síntese sobre a história da economia portuguesa desde os anos 60 do século XX até ao ano de 2010 – de notar que Portugal na altura ainda não estava sob resgate financeiro da troika, embora a obra em nada fique desatualizada por isso. Para Luciano Amaral o problema central é a produtividade, baseando essa constatação na análise histórica económica
A Sesta - José Malhoa
O autor não teme polémicas, e assume-as com frontalidade – a sua visão sobre o Estado Novo é potencialmente polémica. Defende que entre os anos 60 e 74, do século passado, ocorreu o período de ouro da economia portuguesa. Isto porque a produtividade nesses anos foi crescente, superior ao crescimento dos salários/custos do trabalho, e serviu para aproximar a economia portuguesa dos países desenvolvidos. Segundo o autor existia na época disponibilidade de financiamento para a economia, devidamente auxiliada pelo próprio controlo que o Estado exercia com a Moeda e sobre um mercado interno e de exportação devidamente controlado. Não eram de diminuir também as remessas provenientes dos emigrantes que contribuíam para uma maior disponibilidade da moeda, uma maior liquidez da banca nacional. O corporativismo e o controlo Estatal, conjuntamente com horários de trabalho intermináveis, poucos ou nenhuns direitos laborais – de notar que não existia salário mínimo, poucas ou nenhumas férias e sequer nem subsídio de desemprego efetivo -, ajudam em muito a gestão empresarial. A mão-de-obra era dócil e em grande quantidade. Assim, parece que não seria muito difícil que a economia crescesse, pois isso era feito à custa do próprio trabalhador, de uma série de restrições e sujeições que nem sempre contribuíam para a melhoria da qualidade de vida da população. Aqui se prova que nem sempre há uma relação direta entre crescimento económico e crescimento da qualidade de vida, pelo menos na mesma quantidade/qualidade. Há que lembrar que, por exemplo, se a dívida pública era baixa isso se devia ao pouco investimento, comparativamente com o atual, que o Estado fazia em Saúde, Prestações Sociais e Educação, entre muitas outras.
Mas porque não temos maior ou mais produtividade? Será por lacunas ao nível humano, especialmente da especialização/educação/formação e da rigidez do mercado de trabalho português? Segundo Luciano Amaral a razão principal pode não ser nenhuma dessas, embora as admita parcialmente. Isto porque Portugal flexibilizou muito o seu mercado de trabalho, ao nível dos restantes parceiros económicos, e porque os investimentos em educação têm sido imensos, dos maiores a nível europeu. Mas como sabemos, analisar sistemas complexos, ainda para mais de sociedades complexas com infindáveis relações endógenas e exógenas, é difícil estabelecer absolutos, com causas e efeitos estanques. No entanto, as constatações e sugestões do autor devem-nos fazer refletir.
Na obra é apresentada uma outra possível razão para a falta de produtividade nacional, uma para além das que habitualmente nos são apresentadas nos meios não especializados. Essa razão será a baixa intensidade capitalística em comparação com os outros países desenvolvidos. Separa-nos dos países mais desenvolvidos muito mais a diferença entre capital físico que o capital humano. Isto pode querer dizer várias coisas: que a nossa quantidade/qualidade tecnológica (equipamentos, maquinaria, etc.) disponível, tendo em conta as horas que trabalhamos, é baixa; e/ou a produtividade do capital em Portugal é baixa. Então, a nossa baixa produtividade, pelo menos não tão alta como seria suficiente para que a economia possa suportar uma qualidade de vida generalizada mais sustentável - sem défices e endividamentos, quer públicos quer privados –, pode depender muito mais da fraca rendibilidade do próprio capital que da mão-de-obra. Provavelmente é por isso que no estrangeiro os trabalhadores portugueses são dos mais produtivos. Aqui pode-se dizer que se sentem também os efeitos do modo como se organiza o trabalho em Portugal, de como se faz a gestão de recursos e da própria produção, podendo-se estabelecer uma relação com falta de formação e especialização – teoria que talvez Luciano Amaral não subscreva. Um dado importante, e relacionado com a baixa produtividade capitalística – algo que sugeri ao autor na apresentação do Livro em Leiria –, são os hábitos de investimentos que se fazem em Portugal. Podemos constatar que uma parte significativa do investimento (e dos própios emprestimos da banca a particulares), pelo menos o do pequeno investidor, se aplica no setor imobiliário, com rendibilidades muito diferentes e inferiores  ao que se poderia obter no setor da industria e dos bens transacionáveis (ver texto do blogue “Especulação Imobiliária - um mau investimento“), mas de aparente menor risco e com ganhos (aparentes) mais imediatos (especialmente se se associarem à especulação imobiliária).
Voltando à definição de produtividade: se trabalhamos horas a fio com pouca tecnologia seguramente que seremos pouco produtivo; se repetirmos processos redundantes, por falta de organização, seguramente que seremos pouco produtivos; se alongarmos horários de trabalho só para parecer que trabalhamos mais, seguramente que seremos pouco produtivos; se não investirmos o capital acumulado em projetos de valor acrescentado, seguramente que seremos pouco produtivos; se a mão-de-obra não estiver motivada seguramente seremos pouco produtivos... A lista poderia continuar até se acabarem os carateres...
O tema, por ser muito complexo, por se relacionar com o momento presente, por ser pluridisciplinar, poderia só por si encher todos os textos deste blogue. No entanto, fica aqui uma abordagem superficial, ainda que já muito longa, ao tema da fraca produtividade da economia nacional.

Referências Bibliográficas
Amaral, Luciano. "Economia Portuguesa, as últimas décadas". Lisboa, FFMS: 2010.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

O Poder (ou sucesso) e a Testosterona


São vários os estudos que apontam para uma relação direta entre o sucesso e a biologia. Esta relação poderia ser abordada do ponto de vista biológico visível, ou seja, de como as características físicas influenciam o sucesso ou insucesso social (ou outro) dos indivíduos. No entanto, neste texto pretende-se, ainda que de um modo quase leigo e ao nível da curiosidade, abordar o tema do sucesso e sua relação direta com as hormonas, mais concretamente com as hormonas responsáveis pela diferenciação e atividade sexual.
Sobre a Crise no Congresso do SPD - John Heartfield
Existe uma relação  direta, nos homens, entre sucesso – no sentido lato do termo (económico, em competições de toda a natureza, no ter poder, etc.) – e a testosterona [1]. Em casos de sucesso momentâneo, o organismo dos homens produz automaticamente mais testosterona, acontecendo o mesmo em sentido inverso aquando da "derrota". Assim, pode-se concluir que um homem que obtém sucesso considerável passa por uma fase de produção extra de testosterona. Como não podia deixar de ser essas hormonas irão influenciar o indivíduo em causa, e os restantes que com ele se relacionam indiretamente.
As influências hormonais são imensas, tanto física como psicologicamente. No caso da testosterona, a sua presença dita o desenvolvimento físico, a massa muscular, o vigor e também, é claro, o apetite sexual dos homens. Provavelmente a razão de ser deste facto, -comprovado com vários estudos - provém de tempos imemoriais, onde os acasalamentos se davam mais pela força do que por qualquer outra via. Os mais fortes, os líderes, seriam aqueles que teriam de ter mais capacidade de reprodução, trazendo benefícios e maior probablidade de sobrevivência à espécie. Ao fazermos a transposição para o mundo animal – sem com isso tentar que nos excluamos dele -, são os machos mais bem-sucedidos, mais fortes, mais exuberantes (ou o quer que seja valorizado na espécie em causa) que tendem a ser os principais reprodutores, e a conseguir para si o maior número de fémeas (isto apesar de haver exceções em algumas espécies, onde essa faceta de dominação é assumida pelas fémeas). Logo, é compreensível que fosse uma necessidade produzir mais testosterona quando o sucesso viesse. De tal modo, também já se comprovou que o sucesso previsto, ou aquele que pode ser induzido ou imaginado, leva igualmente à produção de maiores níveis de testosterona [2]. No fundo, podemos estar perante um ciclo extremamente útil, tão complexo como a nossa espécie, onde a dimensão psicológica - pois o sucesso pode não ser real - influência a física, e vice-versa.
No caso do sexo feminino, parte-se do princípio que o mesmo poderá ser verdade para uma eventual relação entre o sucesso e a produção de estrogénio, no entanto, na pesquisa que fiz – ainda que não tenha exaustiva – não encontrei nenhum trabalho que possa suster tal teoria, ao contrário do caso da testosterona onde os estudos são muitos. 
Tudo isto parece animalesco demais, especialmente porque hoje desenvolvemos sociedades, altamente complexas, onde estas supostas influências primordiais, perderam a utilidade (ou não).
Estas evidências e conclusões sobre as relações entre o sucesso/poder e o aumento da testosterona (e especulando também para que o caso do estrogénio a relação em causa também seja verdade) podem explicar e justificar o porquê de muitos comportamentos animais e humanos. No nosso caso, enquanto espécie que vive em sociedades complexas, e tendo em conta os tempos correntes, provavelmente está aqui a explicação e o porquê de a muitos artistas, celebridades, milionários, políticos, e outros que se considerem ter sucesso, se associarem vidas repletas de uma atividade sexual impressionante, muitas delas escandalosas perante a vida do cidadão comum.

Referências Bibliográficas:
[1] Steven J. Stanton, Oliver C. Schultheiss. “The hormonal correlates of implicit power motivation”. Journal of Research in Personality 43 (2009) 942–949. Disponível em: http://www.psych2.phil.uni-erlangen.de/~oschult/humanlab/publications/ssjrp.pdf

[2] Oliver C. Schultheiss, Kenneth L. Campbell, and David C. McClelland. “Implicit Power Motivation Moderates Men’s Testosterone Responses to Imagined and Real Dominance Success”. Article ID hbeh.1999.1542. Disponível em: http://www.psych2.phil.fau.de/~oschult/humanlab/publications/scm1999.pdf

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Como as Despesas de Guerra Medievais deram Poder aos Parlamentos


O caso paradigmático de “Parlamento” mais conhecido foi o que emanou da monarquia medieval Inglesa, até porque foi provavelmente – se não mesmo com toda a certeza – o primeiro a funcionar regularmente. Não confundir funcionamento de parlamentos com cortes medievais, pois são substancialmente diferentes, pois nos “parlamentos” o Povo tem representação garantida, enquanto que as primeiras cortes tenderam a ser reuniões consultivas do governante com o clero e a nobreza. Consta que as primeiras cortes alargadas começaram a ser reunidas na Flandres – os países baixos - em 1127, mas no final do século XII já aconteciam também nos reinos peninsulares, especialmente no reino de Leão – de onde se emancipou Portugal. 
Parlamento Inglês com Eduardo (I ou III) - autor e data desconhecida
Curiosamente, e por mais paradoxal que possa parecer, a necessidade de consulta à sociedade da época, por parte dos governantes medievais, aconteceu em plena época feudal. Então porque precisavam os supostos “todos poderosos” medievais de ouvir e seguir opiniões dos seus súbditos? Bem, não parece que se pudessem considerar os líderes medievais como aficionados dos modelos democráticos, até porque dificilmente os conheceriam ou sequer compreenderiam – admito aqui a pura especulação, mais ou menos preconceituosa. A explicação passa mais pela necessidade e não tanto pela vontade. 
O sistema feudal, ou relações feudais, definia muito concretamente quais as obrigações e direitos entre senhores e vassalos. Antes da Baixa Idade Média os soberanos dependiam, grande parte, diretamente dos seus vassalos – o Estado estava longe de ser uma realidade. Como o clima era de guerra constante, com cada vez mais especialização, os custos militares ultrapassavam muitas das vezes aquilo a que as obrigações feudais exigiam. Assim, o soberano via-se obrigado a consultar e pedir autorização aos seus vassalos e súbditos para lançar impostos adicionais
Esta obrigatoriedade de consulta e aprovação às cortes ou parlamentos, que funcionavam por representação especialmente para os elementos do Povo, fizeram com que essas instituições consultivas fossem ganhando cada vez mais importância. Foi na Inglaterra que o parlamentarismo ganhou mais importância política, tendo posteriormente (já na época moderna) ficado com a maior parte do poder. Isto porque, à custa da aprovação de novos impostos, o parlamento inglês foi reservando para si o poder legislativo.
Assim, foi a guerra, a necessidade de financiar as guerras dos monarcas medievais, que deu poder às cortes, e posteriormente aos parlamentos, tendo indiretamente contribuído para o desenvolvimento das democracias ocidentais.

Referências Bibliográficas:
"A Evolução do Mundo Medieval". David Nicholas, Publicações Europa-América, 1999

Artigos relacionados

Related Posts with Thumbnails


A Busca pela sabedoria - criado em Agosto de 2009 por Micael Sousa