domingo, 29 de janeiro de 2012

A Maçonaria (portuguesa) segundo o Diário de Notícias

 Parece que Portugal acordou para a Maçonaria, apesar de estar por terras lusas há pelo menos dois séculos. Curioso, mas coisa simples de explicar quando são os próprios Media que definem os interesses pela notícia, enquanto coisa valorativa. Como o tema está na berra, não podia deixar de recuperar um recorte de jornal de há uns tempos que guardei, de uma edição do Diário de Notícias (DN) que fazia uma grande reportagem sobre a maçonaria nacional. O artigo em si, demorando-se em pelo menos 12 páginas, aborda e faz uma leitura abrangente dessas sociedades secretas, expondo alguns casos e características da maçonaria em Portugal (referindo mesmo alguns dos destacados membros de hoje e de ontem – aquilo que parece cativar a imaginação das pessoas nos dias que correm). De tudo o que trata e apresenta a dita reportagem, trago aqui ao blogue principalmente os conteúdos explicativos e de razão de ser – segundo o DN – da própria maçonaria, especialmente da portuguesa.
O mito de Orfeu - Marc Chagall
  Se a origem medieval da maçonaria é real ou fictícia – uma espécie de mito histórico da criação da própria maçonaria – quase ninguém saberá. Provavelmente só os membros dessas sociedades maçónicas mais tradicionais, caso guardem documentos e outros testemunhos ou provas, o podem atestar. De qualquer dos modos, mesmo podendo a maçonaria não ser tão antiga como a existência das guildas ou grupos de mestres-pedreiros que construíram as catedrais e edifícios mais complexos medievais, os símbolos e associações, tal como o próprio nome, bebem muito desses tempos. Não é por acaso que maçon em francês quer dizer pedreiro - aquele que trabalha a pedra. É que na Europa Medieval cristã os mestres-pedreiros medievais eram dos poucos a ter conhecimentos de matemática, geometria, gestão e capazes de projetar. Há que lembrar que as poucas universidades que existiam eram de criação muito recente e se dedicavam quase exclusivamente aos estudos da teologia e do direito (quanto muito medicina também em alguns casos com a denominação de física); o estudo das bases que seriam a ciência de hoje nas universidades ainda teria que esperar uns séculos. Ainda na língua francesa, “franc-maçon” significa “pedreiro livre”, numa relação com o livre construtor, aquele que pela sua liberdade, capacidade e conhecimentos podia construir algo de novo ( e no caso da pedra, transformar uma pedra bruta num elemento perfeitamente geométrico e/ou ornamentado). Os conhecimentos que estes mestres construtores tinham deram-lhe, em tempos feudais medievais e de liberdades condicionadas, um estatuto social distinto. Não eram nobres, mas tinham algumas regalias e liberdades especiais (incluindo a de deslocação e trabalho por conta de quem escolhessem), pois o poder secular e religioso precisava dos seus saberes e conhecimentos para a construção das grandes obras – aquelas que aspiravam a tocar os céus e ficar, metaforicamente, mais perto de Deus.
  Mais tarde, depois do renascimento, quando o conhecimento dos antigos clássicos começou a ser redescoberto. Também com um maior acesso à informação e sua disseminação mediante a invenção e generalização da imprensa, o conhecimento acumulado do passado e restrito a alguns grupos – guildas de ofícios, onde se incluíam os mestres-pedreiros, o saber das universidades e do mundo sacro – passa a ser de acesso mais facilitado. Mas foi durante o Iluminismo do século XVIII – sem se saber o que deu origem a quê, se o iluminismo à maçonaria ou a maçonaria ao iluminismo, ou se mera coincidência entre ambos - que a maçonaria ganhou o cunho, simbolismo e razão de ser que a caracteriza ainda hoje. A Maçonaria nessa altura ganhou o cunho, mais que tudo, filosófico e cultural - os pedreiros talhariam da ignorância o saber, e do homem rude o homem aperfeiçoado. O objetivo não seriam as construções de pedra mas as do saber. Diz-se que foi da maçonaria que nasceu o triplo ideal de: igualdade, liberdade e fraternidade. Diz-se também que a maçonaria esteve envolvida em muitas das revoluções e lutas pela liberdade, exemplo da Revolução francesa, Independência Americana, da Independência do Brasil e da Revolta Liberal em Portugal (1820). Já a relação com a Implantação da República em Portugal em 1910 é também inegável.
  Hoje existem pelo menos dois tipos diferentes de maçonaria: a regular e a irregular. Na regular é obrigatório que cada maçon confesse uma religião, pois, independentemente de qual for, terá de crer no “Grande Arquitecto” ou GADU – a entidade, força ou divindade da qual o universo tem origem e razão de ser, seja qual for o nome que lhe atribua (Javé, Jeová, Alá, Deus, Buda, etc.). Ou seja, na maçonaria regular é possível estarem reunidos na mesma loja (a maçonaria organiza-se em lojas, o que pode não ser um espaço físico mais apenas a designação do grupo em causa) maçons de várias religiões, sendo vedada a presença apenas a ateus. Por outro lado, na maçonaria irregular podem ser admitidos ateus. Também apenas na maçonaria irregular se permite a iniciação de mulheres, em lojas femininas ou mistas.
  Segundo o artigo onde se baseia a maior parte da informação, que a primeira loja maçónica nasceu em Inglaterra em 1717, mas as origens, tal como já foi referido, parecem ser muito anteriores. Em Portugal a maçonaria organiza parece ter surgido no dealbar do século XIX, embora se haja indícios de alguns destacados portugueses que já anteriormente tinham ligações maçónicas a lojas fora do país. Atualmente existem em território nacional duas grandes obediências: uma regular com a designação de “Grande Loja Legal de Portugal” ou “Grande Loja Regular de Portugal” (GLLP/GLRP); e outra irregular com a designação “Grande Oriente Lusitano” (GOL). Consta que ambas terão cerca de 2000 maçons entre os seus membros, perfazendo então mais de 4000 maçons a nível nacional inseridos em ambas as duas grandes obediências, mas existem seguramente mais maçons com outras obediências não tão numerosas e conhecidas.
Os graus da maçonaria, ou hierarquias, podem obedecer a dois sistemas distintos. Ou se segue o rito escocês ou o rito de York. No primeiro existem 33 graus (ou níveis) enquanto no segundo apenas 10. Em Portugal o mais praticado parece ser o escocês.
  Os símbolos maçónicos são muitos, podendo ser consideramos os seguintes como mais importantes: o compasso (símbolo da retidão, ação do homem sobre a matéria e sobre si mesmo, e moralidade); o esquadro (símbolo da justiça, exatidão, do espírito, pensamento, e do absoluto pela relação com o círculo); a letra “G” (significa: gravitação, geometria, geração, génio, gnose, glória, e grandeza); o avental (símbolo de trabalho, com diferentes cores e inscrições para distinguir os vários níveis dentro da hierarquia maçónica); os 3 pontos (significam: luz, trevas e tempo; nascimento, vida e morte; sabedoria, força e beleza; liberdade, igualdade e fraternidade); a pedra por talhar e a pedra talhada (relação com a busca pela perfeição através da dedicação e trabalho), e; as colunas (símbolos dos limites do mundo, da vida e da morte, do ativo e do passivo, do elemento masculino e feminino).
  Hoje, atendendo novamente à reportagem, o acesso à maçonaria é mais liberalizado que em épocas do passado. Hoje pode-se ser iniciado na maçonaria por convite ou por autoproposta. No entanto, os maçons, segundo eles mesmos, tendem a ser cuidadosos e exigentes na admissão de novos membros. Explica o DN que são város os paços para se tornar maçon: Convite (ou autoproposta); investigação sobre o candidato; rito de iniciação, com chegada de olhos vendados ao local para o efeito (templo ou local de reunião da loja ou obediência), seguido de interrogatório e “testamento maçónico” – um documento de teor filosófico -, de 3 voltas ao templo - na presença dos “irmãos” maçónicos de loja - e por fim, dada a última volta, o candidato é considerado maçon, recebendo o grau mais baixo – grau de “aprendiz” -, sendo de seguida queimado o seu testamento maçónico.
  Nos dias que correm, em sociedades democráticas e onde se aspira a cada vez mais transparência pode ser difícil de perceber e compreender a razão de ser deste tipo de sociedades secretas. Tais receios e incompreensões ganham outra dimensão, no caso da maçonaria, por serem constituídas, habitualmente, por elites. Ou seja, é normal, especialmente por desconhecimento, que se se desconfie sobre quais os assuntos e propósitos maçónicos. Os receios, tendo em conta alguns casos divulgados nos Media, poderão ter real fundamento. No entanto, atendendo a história (perseguições, punições, violências e intolerâncias), é igualmente compreensível que alguns maçons tenham receio em revelar a sua filiação iniciática.
  Para melhor compreensão da maçonaria e seus objetivos, é útil citar aqui José Manuel Anes e a definição que ele próprio dá de maçonaria: “Organizações fraternais, com uma determinada regra de funcionamento e de vida, sujeita a uma hierarquia cujo o objetivo é o aperfeiçoamento espiritual dos seus membros”. Com esta definição e objetivos não será difícil ter simpatia perante estas organizações. No entanto, podem existir linhas muito ténues entre desenvolvimento (e aperfeiçoamento) dos membros destes grupos e favorecimento dos mesmos à custa de toda a sociedade. Claramente isso, a acontecer, seria uma óbvia subversão dos ideais maçónicos tal como são apresentados pelos próprios membros; provavelmente é mesmo ai que reside toda a polémica em torno da maçonaria nos dias que correm. Numa sociedade democrática até faz todo o sentido que os indivíduos se queiram aperfeiçoar pelo seu próprio mérito e valor, pois até será toda a sociedade que ganhará com isso. O que falha depois será a relação do ideal com o real
  De qualquer dos modos, tal como em muitas outros assuntos, há que evitar o obscurantismo e preconceito. Uma opinião sobre este assunto será tanto mais válida quanto mais informada for. Aqui entramos no paradoxo, pois, como estas sociedades são supostamente secretas, dificilmente as opiniões sobre o que são e o que fazer poderão ser verdadeiramente informadas.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Orgasmo feminino fingido - uma lição de Quintino Aires

Quando conversas, mais ou menos informais, tendem a tratar ou tratam o temática da sexualidade, independentemente de "guerras dos sexos", a questão do "orgasmo feminino fingido" é um daqueles assuntos recorrentes. Tentando fazer uma abordagem séria, adjectivo o assunto como "questão", pois pode de facto levantar muitas questões, quer pelas razões quer pelas repercussões que isso pode ter numa saudável vida sexual. Normalmente, com a discussão deste assunto específico, os homens costumam ficar tremendamente preocupados, ou não pudesse isso beliscar a sua masculinidade (ou seu ideal de masculinidade, para eles próprios e para a própria sociedade). Mas, na minha opinião, mais que preocupar os homens - quando falamos de relações heterossexuais, valendo também para relacionamentos com pessoas do mesmo sexo - esses casos devem preocupar, acima de tudo, as mulheres, pois é a não realização sexual feminina que está em causa. Mesmo que aqui os pensamentos masculinos possam ser altruístico, deveriam ser as mulheres a desmistificar esta questão e levarem os seus parceiros à capacidade de lhes proporcionarem o orgasmo, evitando a necessidade do fingimento. Aliás, até porque é a felicidade das mulheres que está em causa. No entanto, provavelmente, muitas barreiras até lá - até que isso pudesse mesmo acontecer e o assunto ser tratado com toda a frontalidade que exige - muitas barreiras psicológicas e sociais terão de cair.
No Moulin Rouge as duas dançarinas - Toulouse Lautrec
Aproveito então tema, e a abordagem inicial dada, para falar de um excelente programa de rádio, um verdadeiro serviço público informativo de grande utilidade para uma sã e informada vida sexual. O programa em causa pode ser ouvido diariamente na Antena 3 (estando conteúdos disponíveis online em: http://ww1.rtp.pt/icmblogs/rtp/horadosexo/), tem por nome "A Hora do Sexo" e é da autoria de Quintino Aires - um famoso e reputado psicólogo que se tem especializado em sexologia - e de Raquel Bulha - uma igualmente famosa radialista. 
Nas várias emissões de "A Hora do Sexo" o tema do orgasmo feminino fingido foi por diversas vezes tratado, tendo sido abordado por muitas respectivas e explanadas as várias implicações relacionadas. Mas, independentemente das muitas leituras e análises, saltou-me ao ouvido, numa das muitas emissões, o momento em que Quintino Aires enunciou técnicas para descobrir indícios que pudessem revelar verdadeiros orgasmos femininos. Entre elas destaco aqui no blogue: o triângulo vermelho invertido no peito ( um vermelhão que, segundo o psicólogo, surge mesmo a abaixo do pescoço, durante o orgasmo numa forma semelhante a um triângulo),e; as contracções do canal vaginal. Ambas as reacções são respostas fisiológicas involuntárias e que não podem ser controladas, o que as torna passíveis e adequadas para identificar verdadeiros orgasmos femininos. Por outro lado, parece que a humidificação da vagina por si só nada significa. Essa resposta de "humidificação biológica" relaciona-se mais com o início da estimulação do que com o climax propriamente dito, logo desadequada para atestar um orgasmo.
Esta foi uma pequena referência e partilha. Ler e ouvir mais do que Quintino Aires tem para nos ensinar seguramente melhorará a nossa cultura sexual, parte integrante e necessária de uma saúde fisiológica e psicológica. No que toca às  questões culturais e de tradição, pode-se dizer que estamos na presença de um verdadeiro demolidor de conceitos, preconceitos, tabus e mitos que se podem associar à cultura ocidental/judaica-critã, nas suas várias origens, relações e evoluções. Nada como ouvir o especialista para aprender e ficar a reflectir sobre a nossa sexualidade.


Nota: para saber mais sobre Quintino Aires, pode consultar o seu site em: http://www.quintinoaires.pt/index.html

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

A Teoria do Big Bang - uma série de humor

Nos últimos anos a quantidade de séries televisivas tem crescido quase exponencialmente. Pode-se dizer que hoje as há para todos os gostos e feitios, que temos ampla escolha para todos os géneros e tipos. Dessas séries muitas são as de humor, especialmente as que poderemos classificar como “sitcoms” (a abreviatura em inglês de “comédia de situação"), por retratarem ou terem como ambiente de fundo um grupo específico – família, amigos, local de trabalho, etc. Das muitas sitcoms que vão correndo haverá também oferta para quase todos os gostos, com vários tipos de humor e com diferentes ambientes temáticos e humanos. 
Como aqui o blogue tem como objetivo principal divulgar saberes e conhecimentos – obviamente sempre tendo em conta a limitação do autor (eu próprio) – há uma dessas séries que tenho de registar aqui neste espaço, que só quase pelo nome justificaria a referência. Falo da série, ou sitcom, “The Big Bang Theory”, da autoria de Chuck Lorre e Bill Prady. A situação que faz esta sitcom é provavelmente o que a torna tão especial. O Ambiente humano é o de um grupo de amigos, investigadores de vanguarda da física, da astrofísica e engenharia espacial e de uma vizinha vistosa, aspirante a atriz. Ambiente curioso, muito mais “interessante” se considerarmos que os investigadores, aos olhos de muitos, poderem ser considerados verdadeiros cromos (“nerds” ou “geeks” no calão anglo-saxónico), por viverem num mundo de ficção cientifica, colecionismo e jogos, como óbvias repercussões nas suas capacidades de interagir com o sexo feminino. Só por ai existe imenso potencial humorístico.
Mas o que torna mesmo interessante esta comédia é o tipo de humor empregue, com doses maciças de sarcasmo, ironia, e alusões surreais, misturadas como imensos termos e explicações cientificas – de praticamente todas a ciências. Estes saberes avulsos são a pitada de originalidade que eleva o interesse em torno da série em si. Pois, mesmo não sendo a razão de ser do programa, acabam por transmitir de facto conhecimentos e despertar curiosidades para se procurar saber aquilo que as personagens, em situações surreais, absurdas e tremendamente divertidas disseram ou fizerem!
As relações humanas, as improváveis entre pessoas de "mundos diferentes" são também a alma e essência desta criação humorística. Não será difícil refletir sobre os mecanismos, hábitos e características dos grupos sociais cruzados nos vários episódios, através das várias personagens.
A quase ode, em jeito de brincadeira/homenagem, ao mundo dos "nerds", "geeks", totós ou o que se quiser chamar às "personagens tipo"dos protagonistas da série "Teoria do Big Bang", merecem uma respeitosa consideração - sem qualquer sarcasmo. Aqui está uma série de humor, ciência e relações humanas a não perder!

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Especulação Imobiliária - um mau investimento

  Num artigo (1) do jornal Le Monde Diplomatique, Pedro Bingre do Amaral, trata o assunto do descontrolo do sector imobiliário e dos efeitos da bolha especulativa imobiliária nacional. Muitos foram já os escritos sobre a especulação imobiliária, mas este artigo vai mais longe, nele o autor acaba por retratar também os hábitos e tendências económicas de investimento nacionais, apontando algumas razões para a debilidade da economia portuguesa e sua relação – causa efeito - com o sector imobiliário nacional, e também com a política de gestão de solos e ordenamento do território.

Corvos voando sobre Seara de trigo - Van Gogh
  Apesar dos axiomas do liberalismo económico apontarem para a defesa do mercado livre, sem regulamentação estatal, alguns dos ideólogos - e verdadeiros paladinos - dessas mesmas teorias (Stuart Mill e David Ricardo), tal como cita Pedro Bingre Amaral, advertiam que: “numa economia demasiado leve na tributação do património e mal regulada em termos de mercados de solo (agrícola ou urbanizável) existe uma tendência irreversível para a maioria dos ganhos de produtividade – de crescimento da riqueza – ser apropriada por rentistas e especuladores imobiliários, espoliando-se toda a sociedade para pagar o oportunismo de um ínfimo número acaparadores de imóveis”. Ou seja, sem regulação e controlo alguns indivíduos beneficiam de ganhos sem que, pelo valor direto ou indireto da transação (ou até valor acrescentado), tragam valor à sociedade em que se inserem e que se relaciona com os solos em causa. Ainda mais pernicioso que isso, tal como refere o autor, é o crescimento económico com base na especulação imobiliária que prejudica tanto a economia nacional como a vida do cidadão comum, os efeitos são micro e macro económicos. Aprofundando mais essa questão, as pessoas que contraem dívida para adquirir os bens inflacionados acabam por perder os ilusórios ganhos de poder de compra associados ao natural e espectável crescimento dos salários, pois estão a comprar algo inflacionado e longe do valor real do bem não inflacionado. Em suma, em vez das famílias prosperarem economicamente a tendência pode ser efetivamente o contrário devido à especulação imobiliária, podendo-se atingir a catástrofe se a bolha especulativa efetivamente rebentar e ficar evidente que se pagou e continuará a pagar algo que não vale o que se supunha. Em parte foi isto que aconteceu nos EUA – a crise do subprime - e a razão do início da crise de 2008 que alastrou por contaminação ao mundo. Mas por cá a nossa economia sofre também, ainda que doutro modo, de uma muito própria especulação e descontrolo imobiliário.
  O caso do imobiliário nacional é paradigmático. Com 12% dos imóveis vazios, valor que pode atingir os 25% se se considerarem as habitações de segunda residência, como explicar o contínuo contrair de crédito para continuar a investir no imobiliário? Como explicar que, em Portugal, uma das primeiras opções, apesar da quantidade de casa vazias, seja optar pelo endividamento para construir ou comprar novo, vendo essa opção como um bom investimento, proveitoso e de rentabilidade garantida para o futuro? Provavelmente, de um modo simplista, a resposta para isso é: a instalada ilusão especulativa imobiliária. Tal como refere o autor do artigo que sustenta este texto, como explicar que o preço do m2 de uma construção de habitação em zona rural de Portugal seja cerca de 1200€ enquanto que no perímetro urbano de Berlim, com salários que facilmente triplicam os nossos, os valores rondem os 1400€? As respostas são várias, entre elas ficam algumas bem evidentes: as falhas de planeamento, controlo e ordenamento do território que deixaram terreno livre para a criação de uma bolha especulatória imobiliária e desordenamento do território (e da utilização dos próprios solos) alargados a todo o território nacional.
  Outro aspeto caricato da nossa nacionalidade, já também referido, é a tendência de investimento. É usual, quando um cidadão português pensa em investimento, considerar logo, como umas das primeiras opções, em adquirir imobiliário para legar à família ou para esperar a sua valorização para posterior venda. Mas de onde vem então essa suposta valorização? A resposta é, salvo algumas exceções – valor artístico, de autor, ou outros do imóvel -, a especulação. Pois, se pensarmos, um imóvel por si só nada, pior ainda quando muito deles estão vazios (25% na pior das hipóteses), nada acrescenta ou produz de valor. Esta afirmação pode ser contestada, dizendo por exemplo que uma habitação traz valor acrescentado por criar mais habitabilidade. Certo, mas se ninguém necessitar dessa suposta mais-valia o imóvel de pouco serve, logo pouco vale.
  Os investimentos dos portugueses tendem muito para o sector imobiliário, dai talvez a razão para a qual o investimento em Portugal, estatisticamente, ser pouco rentável (2) comparado com outros países. Isto pode ser apenas mais uma especulação, mas que será de Portugal quando e se a bolha da especulação imobiliária, ainda que de dimensões não comparáveis à dos EUA, verdadeiramente rebentar e muito do valor investido revelar ser uma mera ilusão? Pior será quando se demonstrar que esse investimento foi, ainda por cima, urbanisticamente desordenado causando insustentabilidade urbana (3)(4). Preocupante será também o excesso de peso do sector da construção civil na economia portuguesa, sector que com a contração na construção contrai diretamente a própria economia.
  Esperemos que o choque possa ser evitado: que todas as habitações vazias possam ser habitadas, que seja evitado o recurso excessivo ao crédito e se recorra mais ao arrendamento (com regras adequadas), e claro, que se regule o sector imobiliário (e se faça efetivo ordenamento dos solos e do território) de modo a que a especulação seja uma área de investimento insustentável.

Referências Bibliográficas:
1 – "Neoliberalismo, um álibi da especulação imobiliária". Pedro Bingre do Amaral. Nº43 da edição portuguesa do jornal Le Monde Diplomatique de Maio de 2010.
2 – “Economia Portuguesa – as últimas décadas”. Luciano Amaral. Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2010
3 – “Transportes urbanos e habitação - uma relação indissociável de custos”. Texto do blogue “A Busca pela Sabedoria”, disponível em:
http://abuscapelasabedoria.blogspot.com/2011/05/transportes-urbanos-e-habitacao-uma.html
4 – “As disfuncionalidades urbanas das "Cidades Médias". Texto do blogue “A Busca pela Sabedoria”, disponível em: http://abuscapelasabedoria.blogspot.com/2011/01/as-disfuncionalidades-urbanas-das.html

Artigos relacionados

Related Posts with Thumbnails


A Busca pela sabedoria - criado em Agosto de 2009 por Micael Sousa