domingo, 28 de novembro de 2010

Holodomor - o holocausto Ucraniano

Quando se fala dos grandes massacres e extermínios do século XX o holocausto Judeu, executado pelos Nazis, é quase sempre lugar-comum e tido como o evento mais negro e que centraliza mais atenções, quanto muito refere-se as recentes “limpezas étnicas” nos Balcãs. 
Dois velhos comendo - Goya
 Já os casos mais a Leste, aqueles actos desumanos de extermínio que foram levados a cabo pela União Soviética, a mando de Estaline durante o seu regime de terror, nem sempre são citados, até porque não temos muita informação precisa e objectiva à mão e porque os Media pouco falam disto - é usual referir-se apenas que Estaline matou e condenou muitos russos aos Gulags na Sibéria. Mas hoje começa-se a investigar cada vez mais a fundo as obras de assassinato em grande escala praticadas ao longo do século XX pelo regime Soviético. Sabe-se agora que Estaline foi responsável por um dos maiores extermínios e assassinatos em larga escala da História da Humanidade. Os seus alvos não era étnicos como as vítimas do regime Nazi, as suas vítimas eram inimigos políticos – reais ou inventados. Um dos maiores extermínios que levou a cabo foi na Ucrânia. Em 1932-33 Estaline transformou a Ucrânia, onde na altura começavam a surgir algumas tensões revoltas para com o jugo Soviético, num campo de extermínio à escala de um país. Esse evento ficou conhecido como Holodomor ou a Grande Fome da Ucrânia. Estaline conseguiu exterminar, em apenas um ano e sem grandes recursos - meios e logística, mais pessoas do que os Nazis e de uma maneira ainda mais desumana: através da lentidão da fome. Nesse inverno (32-33), as reservas de alimento por toda a Ucrânia – que era considerada durante todo regime soviético o “Celeiro da URSS”-, especialmente os cereais, foram confiscados, usados para alimentar outras zonas da URSS e o remanescente exportado. Assim, Estaline deixou a Ucrânia de rastos – morreram mais de 7 milhões de ucranianos no ano de 1933, quando o habitual seria algo por volta dos 500 mil –, subjugou e esmagou a oposição política e utilizou aquilo que deveria alimentar os ucranianos para seu próprio proveito político e económico. Tudo isto aconteceu sem que as democracias do Ocidente fizessem ou tivessem qualquer vontade de impedir o genocídio ucraniano.
Estas informações foram obtidas através do documentário “A união Soviética a descoberto”, da autoria de Edvins Snore, e exibido recentemente no Canal de História. Este documentário é riquíssimos em informações, de tal modo que ainda farei mais um texto sobre ele, mas é também rico em imagens de uma violência atroz e que não recomendo aos mais susceptíveis.
São casos como este que nos levam a constatar que, o modo como se escreve a história – a tenção que se dá em mediatizar alguns eventos e esconder outros -, é responsável por um quase reinventar do que se passou, sendo que nem sempre aquilo que se supões ou considera como um dado adquirido o seja.
A figura de Estaline, tal como a de outras personalidades que são no mínimo discutíveis quanto aos actos que cometeram, ainda se reveste, em alguns meios e para algumas pessoas (que dizer das imagens da conferencia de Ialta...), de uma máscara que lhe esconde e oculta as monstruosidades inacreditáveis que cometeu – actos que lhe valeriam provavelmente o prémio do maior monstro do século XX, mas infelizmente há mais candidatos para esse odioso lugar.

domingo, 21 de novembro de 2010

Gandhi o disfuncional sexual?

Mohandas Karamchand Gandhi é ainda hoje uma das personalidades mais importantes e conhecidas do século XX, e até de toda a História da Humanidade. Gandhi, que era apelidado de Mahatma – “A Grande Alma” –, inspirou e continua a inspirar os defensores e activistas pelos direitos cívicos, pela autodeterminação dos povos, mas especialmente todos aqueles que optam pela “luta” através da não-violência – por mais contraditório que isso possa parecer o estudo da sua vida e obra provam que tal modo de luta é possível.
Mohandas Gandhi - Vikas Kamat
Mas, tal como quase todas as grandes personalidades da história, especialmente quando a sua vida e obra é registada com fins políticos ou outros, a vida de Gandhi foi, de algum modo, alvo de um "tratamento" direccionado que quase o divinizou, tendo sido deliberadamente “esquecidos” alguns acontecimentos menos próprios de alguém que se queria que fosse recordado como incontroverso. No artigo “Sexo, Mitos e Gandhi”, da autoria de Jad Adams, publicado originalmente no “The Independent” em 7/04/2010, que nos chega a Portugal através da edição de Julho de 2010 do Courrier Internacional, é abordada a vida sexual de Gandhi, mas também o modo como “Mahatma” teorizou e divulgou as suas ideias sobre os comportamentos e condutas sexuais a adoptar. Sexo, ou condutas sexuais, não é usualmente algo que se refira ou associe a Gandhi e à sua obra, mas na verdade o sexo (ou a falta dele) foi uma das grandes preocupações na vida deste grande activista e líder político e espiritual indiano. De um modo resumido, Gandhi defendia o celibato e propagandeava-o como conduta desejável a adoptar, isto para si próprio mas também para todos os Indianos – até para os jovens casais. Mas a verdadeira polémica até nem é a acérrima defesa do celibato – mesmo pensando em todos os efeitos negativos que isso teria a nível demográfico -, o que chocou, e ainda continua a chocar todos os que se debruçam sobre esta faceta de Gandhi, eram os constantes testes que Gandhi fazia à sua capacidade de resistir às tentações e impulsos sexuais: chegava a tomar banho com muitas das jovens mulheres da sua família alargada; dormiu repetidamente com jovens mulheres, referindo que o fazia estando ambos completamente nus. Que se saiba nunca resultou qualquer contacto sexual destas experiências e testes a que Gandhi se sujeitava e com quais queria provar que dominava a sua sexualidade e vontade de ser celibatário, no entanto, este comportamento chocou os seus contemporâneos, os seus familiares e os seus apoiantes políticos. Os mais acérrimos críticos desta conduta e comportamentos viam-no como um disfuncional sexual, um desequilibrado que reprimia e defendia a repressão sexual.
Posteriormente, à medida que o mito de Gandhi ganhava forma, especialmente depois da sua morte e do nascimento do Estado Indiano que queria criar os seus próprios heróis, estes episódios foram propositadamente omitidos.
 
Apesar de tudo, não se pode pôr em causa a importância e o papel de Gandhi para a história da Índia e para a própria história da humanidade, especialmente pelo exemplo que deu: por nos ter mostrado que para vencer não é preciso recorrer à violência – apesar da repressão sexual poder ser considerada também uma forma de violência.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Platão tenta mesmo provar a imortalidade da alma?

Platão, em algumas das suas obras, colocando as suas palavras na boca de Sócrates – enquanto uma quase “personagem” que substitui o próprio autor -, reflecte e teoriza sobre a alma humana, isto especialmente nas obras Fédon e República onde tenta comprovar a existência e a imortalidade da alma. Em ambas as obras, mas mais aprofundadamente no Fédon (ou da alma), Platão recorre a uma poderosa dialéctica – arte de convencer através do diálogo devidamente fundamentado e encadeado – para comprovar a imortalidade da alma, iniciando o debate com uma forte argumentação – um possível exemplo daquilo que mais tarde Aristóteles apelidaria de retórica lógica (ou tentativa disso). 
A morte de Sócrates - Jacques Louis David
Mas, à medida que a discussão – sendo Sócrates a “personagem” que na discussão defende a tese de Platão perante os demais intervenientes – se vai adensando e aprofundando o discurso e a dialéctica de Sócrates mudam. Não vou aqui focar os primeiros argumentos – verdadeira arte dialéctica – de Platão através da intervenção de Sócrates, mas os últimos por serem os mais surpreendentes e inesperados – se bem que intelectualmente menos conseguidos. Sócrates, a uma determinada altura, numa das suas intervenções, começa a fazer referências à mitologia, relacionando a com a alma. Já no final da obra essa relação é então completamente abraçada e evidente, sendo transformada na derradeira justificação para a imortalidade da alma – transparecendo a ideia de que houve uma desistência da argumentação lógica. No mínimo estranho este desfecho, especialmente se considerarmos que Platão era um acérrimo defensor da discussão com base em sólidos argumentos e não em opiniões infundadas ou difíceis de justificar. Mas se atendermos às limitações tecnológicas do saber de então, este tipo de recurso não é de todo despropositado. No entanto não deixa de ser estranho este caso pois, mesmo na Grécia do séc. V a.C. havia já quem contestasse a validade das análises mitológicas, ou seja, não era algo que Platão pudesse usar como uma verdade incontestável capaz de validar a tese a que se propunha.
Mas será que este desfecho de Fédon não terá sido propositado? Platão poderia simplesmente querer demonstrar que alguns temas e assuntos simplesmente não podem ser provados ou comprovados pela razão? Ou seria uma espécie de crítica aqueles que, mesmo iniciando um debate com forte oratória, baseada em argumentos logicamente encadeados, quando vêm os seus argumentos esgotados, invariavelmente, enveredam pelo recurso à mitologia e ao sobrenatural para justificarem a sua posição, não admitindo que são incapazes de compreender aquilo que inicialmente se propuseram a defender ou porque simplesmente não têm razão?

Bem, esta é mesmo só uma possível interpretação, pois o conceito de Alma que Platão descreve pode até ser visto como a própria razão que é toldada pelo “corpo”: senso comum. Bem, mas isso dava outra discussão.

domingo, 14 de novembro de 2010

Estruturas de Madeira ou Aço - qual o material mais resistente ao fogo?

Quando pensamos em construir edifícios de madeira em Portugal é comum levantarem-se logo uma série de preocupações - algumas que noutros países parecem não existir. Pensa-se logo na sua durabilidade da madeira enquanto material de construção, mas pensa-se também no perigo de incêndio. Como associamos uma estrutura construída em madeira à lenha que queimamos nas nossas lareiras, o senso comum leva-nos a concluir que um edifício com estrutura em madeira resiste menos a um incêndio que as estruturas em elementos metálicos e de betão armado. Estas ideias podem estar muito longe da realidade, sendo que a física/química podem ajudar-nos a perceber os fenómenos associados aos incêndios em edifícios! Ora tomemos a as seguintes palavras em consideração.
Grande Incêndio de Londres - Autor desconhecido
Tal como em outros combustíveis sólidos, quando a combustão se inicia nos elementos de madeira esta decompõe-se em gases que alimentam as chamas. São as chamas que vão aquecer a madeira ainda não atingida e promover a libertação de mais gases inflamáveis. Isto continuamente até desaparecer o combustível que é a própria madeira. No entanto, ao contrário de outros materiais como o aço, a madeira tem baixa condutibilidade térmica. Esta propriedade dificulta a elevação da temperatura em zonas contíguas às que se encontram em combustão. Mas é devido à camada carbonizada (que tem cerca de 1/6 da já diminuta condutibilidade térmica da madeira maciça), que se produz quando um elemento de madeira arde, que se obtém uma extraordinária e improvável resistência destas estruturas ao fogo. A camada carbonizada impede a transmissão de calor para o interior dos elementos de madeira,  atenuando a propagação do fogo. Assim garante-se durante muito mais tempo a estabilidade estrutural dos elementos em madeira durante a deflagração de um incêndio. Seguramente que todos já vimos florestas que arderam e onde as árvores se mantiveram de , tendo sido apenas chamuscadas e ardido exteriormente. 

Então, veja-se como são afectadas e qual o comportamento dos matérias mais tradicionais  considerando a sua resistência ao fogo. Durante um incêndio, as temperaturas atingem mais do que 10.000°C. Entretanto, o aço, a 5.000°C, já perdeu 80% de sua resistência, enquanto o betão começa já a perder resistência a partir dos 800°C. A madeira, mesmo a altas temperaturas, conserva durante algum tempo uma secção residual bem significativa que se mantêm a temperaturas baixas, mesmo a pequena distância da zona em combustão, e que conserva as propriedades físicas inalteradas. No entanto, quer o betão quer o aço podem receber tratamentos que lhe confiram propriedades de resistência ao fogo tão ou melhores que as da madeira. 
Agora que o Inverno se avizinha e que as lareira começam a queimar as primeiras madeiras, será caso para podermos constatar como algumas peças de madeira demoram horas e até mesmo dias a serem consumidas pelo fogo. Se pensarmos que esse tempo todo, caso façamos a extrapolação para um edifício, pode ser fundamental para evacuarmos os utilizadores de um determinado edifício aquando dum incêndio, podemos dizer que as estruturas de madeira podem ter, mais até que as de betão armado e metálicas correntes, grande resistência ao fogo – sendo que a resistência ao fogo se afere tendo em conta o tempo que a estrutura se mantêm estável.


Fontes: Projecto de Estruturas de Madeira - Amorim Faria e João Negrão; Apontamentos teóricos da disciplina de “Estruturas de Alvenaria e madeiras” de 2008 do curso de Engenharia Civil ministrado na ESTG - IPL

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Top de popularidade do blogue - Novembro de 2010

Agora que já passaram quase 1 ano e 3 meses desde que o blogue nasceu  penso ser a altura indicada para fazer referências a alguns dados estatísticos relacionados com às publicações que foram ocorrendo desde Agosto de 2009. Possivelmente, farei a partir de agora, regularmente, mais referências aos dados estatísticos do blogue, pois pode ajudar a que os debates mais vivos, surgidos dos textos publicados, possam ficar ainda mais ricos.
Noite estrelada - Van Gogh
Nota: Nestes textos irei utilizar aquela que é a minha obra de arte preferida e aquela que tento homenagear usando-a como layout do próprio blogue.

Obrigado a todos pelas vossas visitas, comentários e apoio ao blogue, mesmo que tenha sido discreto e silencioso.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Meandro – um dos primeiros ícones e, quiçá, "marcas"

Provavelmente, muitos de nós usam a expressões do género “andei pelos meandros…” para descrever uma viagem ou demanda onde andamos próximos de algo, fazendo desvios, trajectos sinuosos, difíceis ou complicados. Mas qual a origem do termo? O que é um meandro?
Bem, para começar, do ponto de vista hidrográfico um meandro é uma sinuosidade acentuada do desenvolvimento de um rio, por vezes tão acentuada que chega a inverter o sentido do curso de água. Este fenómeno está associado à geologia do terreno por onde corre a massa de água e dos processos de erosão que foram ocorrendo e que definiram o próprio leito do rio. No fundo, um meandro para a hidrologia (entre outras ciências) é, de um modo simplista, um rio, ou parte dele, que serpenteia – isto em observação aérea.
Para o oceano - Mark Dixon
Mas este nome não foi inventado propositadamente para caracterizar esta curiosidade hidrográfica, Meandro era mesmo o nome de um rio na antiguidade clássica. Meandro, ou Maiandros (Μαίανδρος), era o  famoso rio que, ostentando uma forma muito sinuosa, passava nas imediações da também famosa cidade de Mileto na Ásia Menor – actual Turquia. A forma do Rio Meandro era muito caricata, pois curvava quase sobre si mesmo. -enquanto se encaminhava para o Mar Mediterrâneo. Esta originalidade natural foi, possivelmente , a inspiração para  a criação de um ícone estilístico chamado também de meandro. Este ícone foi muito utilizado pela cultura helénica (grega), era uma forma estilizada que fazia lembrar a do  próprio Rio Meandro. 
Meandro
No entanto, não se exclui a possibilidade de ter sido essa já conhecida forma geométrica - o meandro - que baptizou posteriormente o rio que corria perto de Mileto. Dúvidas e incertezas à parte, o meandro é hoje um símbolo que facilmente relacionamos com a Grécia Antiga. Trata-se quase de uma “marca”, de um ícone de sucesso com milhares de anos, que persiste na nossa cultura, sem perder a sua actualidade e valor estético.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Ainda há economistas que exigem a regulamentação dos Mercados

Num texto que me chegou pela mão, aliás, pelo e-mail, de um amigo, é exposta uma interessante análise e argumentação sobre questões relacionadas com a actual crise económica. Deste documento, assinado por vários membros da “Associação Francesa de Economia Política” e intitulado de “Manifesto dos economistas aterrorizados – Crise e Dívida na Europa: 10 falsas evidências, 22 medidas em debate para sair do impasse”, constam vários exercícios de análise e resolução para a dita crise. Mas, desse documento, o que me fez mesmo criar este texto foi: a argumentação destes economistas contra a teoria – tão cara aos defensores do neo-liberalismo – de que os mercados são auto-reguláveis, que se auto-equilibram no sentido da sua própria sustentabilidade e eficiência. Sendo essa falácia - segundo os autores - ainda mais marcante e evidente no caso dos mercados financeiros.
Cesto de maças - Cézanne
Então, para estes economistas franceses, nos Mercados a concorrência auto-regula-se devido à chamada “lei da oferta e da procura”, teoria que consiste em: “…quando o preço de um bem aumenta, a oferta e os compradores reduzem a procura; o preço baixa e regressa, portanto, ao nível de equilíbrio”. Eu diria - relembrando as palavras de um amigo economista, - que isto só é verdade se realmente todos os intervenientes nos Mercados forem racionais – coisa que nem sempre acontece como todos sabemos.
Bem, mas estas palavras nada têm de novo ou inovador, esta explicação não é mais do que economia e teoria dos Mercados do mais básico e simples, algo corriqueiro e ao nível daquilo que se considera ser cultura geral. A próxima constatação também nada traz de novo, especialmente para quem se dedica a tentar perceber e compreender os fenómenos de especulação, mais propriamente os fenómenos que provocam as famosas “bolhas especulativas”. No entanto, dado o momento que vivemos parece-me importante  voltar a reforçar – tal como fazem os autores do documento em causa – que, se os Mercados nem sempre são auto-reguláveis, muito menos propensos à auto-regulação serão os Mercados Financeiros.
A desregulamentação leva, directa ou indirectamente, à especulação (racional ou não). O  caos extremo, resultante das actividades especulativas, marcou um dos dias mais terrivelmente conhecidos da História do século XX, refiro-me à quinta-feira negra de 1929, evento que só não voltou a repetir-se com a crise de 2008 (tendo em conta as óbvias diferenças) devido à intervenção forçada – regulação à força – que Estados e outras Entidades concretizaram. Vejam-se então as palavras dos autores do documento sobre a descrição do processo que origina as famosas “bolhas especulativas”, fenómenos que podem levar ao caos: “…[no caso dos Mercados financeiros,] quando o preço [de um produto ou bem financeiro] aumenta é frequente constatar não uma descida mas sim um aumento da procura! De facto, a subida de preço significa uma rentabilidade maior para aqueles que possuem o título, em virtude das mais-valias que auferem. A subida de preço atrai portanto novos compradores, o que reforça ainda mais a subida inicial. As promessas de bónus incentivam os que efectuam as transacções a ampliar ainda mais o movimento. Até ao acidente, imprevisível mas inevitável, que provoca a inversão das expectativas e o colapso..."

Muito pessoalmente – sendo pouco importante aqui a minha opinião pois sou um mero curioso nestas lides -, vejo como inevitável e, acima de tudo, desejável, a regulamentação séria e consciente, em ser totalitária ou repressiva de modo a evitar males ainda piores, dos Mercados – Mercados financeiro incluídos.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

As velas e o terramoto de 1755

O terramoto de 1755 é um dos acontecimentos mais marcantes e dramáticos da História de Portugal, e mesmo o português menos interessado pelos temas históricos já ouviu, com certeza, falar sobre esse fatídico dia, tal como a posterior acção de reconstrução levada a cabo por Sebastião José de Carvalho e Melo – futuro Marquês de Pombal e ministro forte do rei D. José I.
Gravura do terramoto de Lisboa de 1755 - autor desconhecido
Foi no dia 1 de Novembro, um feriado religioso dedicado a “todos-os-santos” segundo tradição católica – algo que acontece ainda hoje -, que a famigerada hecatombe devastou Lisboa, privando-a de uma grande parte do seu património urbano (muitas zonas da cidade foram destruídas e muitos dos principais edifícios ficaram em ruínas) e humano (muitas lisboetas faleceram nesse dia, vítimas do terramoto propriamente dito ou das consequências dele). Mas para que o terramoto de 1755 tivesse atingido o grau de destruição que atingiu, ao ponto de ter causado tal horror que os principais pensadores da época europeus chegaram mesmo a escrever e meditar sobre esse traumático evento (Voltaire e Kant escreveram propositadamente sobre o tema), contribuiu também o que aconteceu imediatamente a seguir ao terramoto propriamente dito. Nesse dia, por ser um importante feriado religioso – dia de todos-os-santos –, as igrejas estavam iluminadas com um número excepcional elevado de velas. Ao ruírem os edifícios, igrejas incluídas, as velas derrubadas propiciaram e causaram incêndios de grande escala (consta que lavraram durante 5 dias sobre as ruínas da capital). Ao deflagrar dos incêndios seguir-se-ia um maremoto – tsunami como é agora mais conhecido – que arrasou com a baixa já destruída. Foi este misto de calamidades que realmente tornou o dia 1 de Novembro de 1755 um dos dias mais negros da nossa História.
Isto na altura pareceu, a uma sociedade bastante religiosa, como que um castigo divino, algo que fez com que alguns pretensos profetas aproveitassem o evento para criticar as praticas e hábitos sociais da Lisboa de meados de século XVIII. Felizmente que estava perto do poder o homem certo (o Marquês de Pombal) para dissipar os obscurantismos e, com a sua energia, assumir as rédeas do governo e reconstruir a nossa capital.
Gravura das ruínas da Ópera do Tejo depois do terramoto de 1755 - Le Blas
O terramoto que destruiu a capital portuguesa chocou toda a Europa e muitos pensadores do iluminismo aproveitaram para teorizar e filosofar sobre as causas, razões e impactos desta calamidade.

É caso para pensar sobre este evento do passado e fazer tudo o que for possível para que não se repita. É caso para ter cuidado com as velas, até porque a mais inocente das velas pode ser provocadora de um acidente e, quando aliada com outros perigos, ascender a um potencial de perigo inimaginável...

Fontes: Cultura, tudo o que é preciso saber - Dietrich Schwanitz

Artigos relacionados

Related Posts with Thumbnails


A Busca pela sabedoria - criado em Agosto de 2009 por Micael Sousa